quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Entrevista: Marcella Tosetto

Ela foi a modelo new face mais bombada em Brasília em 2011. Fez fotos para o livro Brazilian Style, estrelou o editorial de 5 anos do site Finíssimo e está na traseira de muitos ônibus pela cidade pela campanha do GDF "Beber depois de dirigir não dá samba". Conheça um pouco mais de Marcella Tosetto, modelo gaúcha radicada em Brasília pela Win Models.
* Você é modelo desde quando? Conte um pouco como começou sua carreira.
Ser modelo foi uma decisão que tomei sozinha, aos 16 anos. Mas o apoio da minha mãe foi fundamental. Ela me ajudou a manter os pés no chão. Juntas fomos a São Paulo visitar agências e alguns apartamentos de modelos para ver de perto a realidade da vida de uma modelo new face. Vi que não era nada glamuroso, mas decidi que queria viver aquilo mesmo assim. Transferi de colégio para São Paulo e me mudei pra lá representada pela ADM Models (minha agência mãe na época) e pela L'Equipe. Foi o ano que eu mais passei dificuldades e o ano que eu mais cresci como modelo e como pessoa.
* Como foi sua primeira experiência como modelo?
Meu primeiro trabalho como modelo foi um show room em uma loja de SP. Fiz esse job junto com uma amiga e colega de quarto, que já tinha mais experiência como modelo. A presença dela me deixou tranquila, sabia que se tivesse alguma dúvida ela me ajudaria.
* Do que você mais gosta no seu trabalho?
Da mesma coisa que mais gosto em moda: do poder que cada produção tem de transformar as pessoas. Pra mim é aí que está a diversão. Num dia tenho que ser bonequinha, no outro, mulherão, ou ter uma atitute mais rock'n roll, ou clássica, ou moderninha... são infinitas possibilidades.
* Qual trabalho mais gostou de fazer até hoje?
Prefiro fotos a defiles, mas o CFW de verão de 2009 foi especial. Primeiro porque foi a primeira samana de moda da qual participei e segundo porque estava dando um tempo na carreira de modelo para estudar para o vestibular, morando em Brasília de novo, e esse CFW foi a oportunidade de matar um pouco da saudade dos amigos de SP que vieram participar do evento também.
* Quais serão seus próximos passos? O que sonha mais em conquistar?
Perdi oportunidades de modelar em outros países por conta de escola, vestibular e faculdade... Em 2012 pretendo dar um tempo nos estudos e correr atrás dessas oportunidades, afinal, são experiências únicas.
* Você acha que existe muita pressão nesse mundo da moda?
É difícil ter todos os seus defeitos sendo apontados, mas você não pode levar tudo ao pé da letra. Cada crítica tem um propósito, é algo que se você decidir mudar, pode te ajudar a se tornar uma modelo melhor. Então eu encaro como um conselho, posso segui-lo ou não. Na pressa para melhorar, algumas pessoas ignoram os próprios limites e, pra mim, a pressão surge daí, da cabeça de cada um.
* Se pudesse dar um conselho para quem quer iniciar a carreira de modelo em Brasília, qual seria?
Modelo tem que ser visto pra ser lembrado (E o mundo da moda é um ovo, então cuidado por onde e como você será visto. Ninguém quer ser lembrado pelos motivos errados né?).

0 comentários :

Postar um comentário